23 setembro 2006

A Liga dos Cavalheiros Extraordinários vol.1

Argumento: Alan Moore
Desenho: Kevin O'Neill

Ingalterra. Fins do séc. XIX. Uma busca inicia-se. Os procurados? Um punhado de pessoas em que o futuro do país será depositado nas suas mãos. Quem são eles? Allan Quatermain, Mina Murray, Capitão Nemo, Dr. Henry Jekyll, Mr. Edward Hyde, Hawley Griffin, eles formam a Liga dos Cavalheiros Extraordinários!

Acabei de ler esta obra ontem e a minha impressão não podia ser melhor. Confesso que das duas únicas que li de Alan Moore (esta e V for Vendetta), sempre achei que seriam algo "secante". Digo isto porque o ínicio de ambas as histórias não me pareceu prometedor, mas quando comecei a entrar pelo livro "adentro", cada vez me apercebia mais de que estava a ler grandes histórias, grandes obras. Alan Moore mostra mais uma vez que é o melhor argumentista vivo e ainda em trabalho, apesar de recentemente ter anunciado que irá abandonar a indústria dos comics americanos. O seu último álbum a ter lançamento será o derradeiro volume desta série, que só será lançado em 2007, devido aos recentes problemas entre a DC e o argumentista.

Esta história passa-se na Era Vitoriana. O Império quer evoluir e para isso terá de recuperar uma das suas grandes descobertas, roubada por um dos inimigos dos estado. Para isso foram recrutados alguns homens, entre eles uma mulher. Foi-lhes concedida missão de recuperar o tal artefacto e para isso terão de fazer tudo. Viajam pelo mundo através do Nautilus, de Capitão Nemo, guiados por Mina Murray, a chefe de fila, ajudada por Quatermain, caçador de Elefantes, que por sua vez tem o auxílio do misterioso Hawley Griffin e do pacato Henry Jekyll, que tem um lado negro e brutal, de nome Edward Hyde.
Por aqui veêm-se claras homenagens a grandes personagens da literatura. Quem não se lembra das aventuras de Dr. Jekyll e Mr. Hyde, ou do Nautilus de Júlio Verne? Alan Moore faz sempre questão de homenagear grandes personagens, como em V for Vendetta, ou como no controverso Lost Girls, o mais recente livro da sua autoria e da de Melinda Gebbie, sob a chancela da Top Shelf. Tarantino dos comics? Não sei...

Mas como Alan Moore não sabe desenhar, alguém o teria de o fazer. E quem melhor que Kevin O'Neil (outro autor da escola inglesa) para desenhar esta obra? Este homem tem uma imaginação inimaginável! Consegue criar cidades grandiosas, estruturas grandiosas, tudo grandioso. Adorei a forma como ele imaginou o Nautilus e como caracterizou cada personagem. Todo este livro Bem Desenhado, apenas não gostei muito das capas, podiam ser bem melhores.
Sem dúvida que este homem poderia voar mais alto na indústria dos comics americanos, pois tem grande talento.

Aconselho esta obra a todos os bedéfilos, porque se não têm nada de Alan Moore na vossa biblioteca, mais vale deixarem de ler comics! Moore consegue surpreender qualquer um com o seu engenho e imaginação, que vai até onde ninguém pode. Infelizmente é "maltratado" pela grande DC. Talvez seja uma birra de Moore que nunca lhe irá passar, ou talvez uma casmurrice da editora. Voltar aos tempos em que o Mestre escrevia para os principais títulos de super-heróis, seria óptimo, mas impossível.

5 comentários: