30 setembro 2008

Homem Aranha: Azul

Argumento: Jeph Loeb
Desenho: Tim Sale

Este livro é aquele tal "outro lado da moeda". Sinceramente não percebo o que vai na cabeça de Jeph Loeb quando ele consegue dar-nos um estória tão bela e poética como esta e a seguir disparar comics tão degradantes e desgraçados como Captain America: White #0. Talvez seja daqueles fenómenos da física inexplicáveis ou com teorias ainda por provar, tipo o Big Bang. Talvez fosse boa ideia criar um acelerador de partículas para estudar este autor...
Homem Aranha: Azul é de facto uma mini-série que deve ser relembrada pelos fãs do Aranhiço. Aqui, o elemento fulcral nem é bem a cena em que a aranha pica o Peter e este passa a ter poderes, aliás, não tem mesmo nada a ver. Esta é uma estória de amor, passada no Dia de S. Valentim que foca o relacionamento de Peter Parker com os seus amigos de adolescência, em especial Gwen Stacy. Podemos também dizer que é nesta etapa que vemos um Peter marrão a passar para um Peter mais cool, tudo devido à sua nova vida atarefada com os estudos da universidade, o trabalho no Clarim Diário, as desavenças temporárias com Flash Thompson, aturar o J.J.J., o surgimento do seu melhor amigo - Harry Osborn e, como não podia deixar de ser, dois problemas do sexo feminino - Mary Jane Watson e Gwen Stacy.
É engraçado verificar que ainda hoje o Peter continuaria a amar mais Gwen Stacy do que MJ, mesmo estando (tecnicamente) casado com ela. É essa, pelo menos, a mensagem final que Jeph Loeb transmite neste livro, que tinha tudo para ser perfeito, mas devido a um erro  téncico de "lugares-comuns", a escrita borrou toda.
Vale lembrar que é a segunda vez que leio este bonito conto, mas parece que só agora é que consegui apreciá-lo ao máximo. Sinto que várias coisas me escaparam quando o li há já quase 4 anos. Além disso, este releitura surge num momento em que estou a tentar ler tudo o que tenho desta dupla (seguir-se-á Superman: For All Seasons e mais à frente Batman: Long Halloween, surgindo talvez Daredevil: Yellow pelo meio). Estou num processo de análise em relação ao que a dupla maravilha consegue fazer de bom e de mau, principalmente, pois segundo alguma pesquisa da minha parte, Jeph Loeb apenas foi reutilizando várias ideias da sua primeira estória no Batman.
Enfim, adorei este livro, é incrível como ainda hoje toda a mitologia criada por Stan Lee e Steve Dikto me impressiona e me faz tanto sorrir como reflectir sobre o que se passa na vida agitada de Peter Parker. Obrigado Stan.
Nota: 8/10

13 comentários:

  1. Pois, o Loeb parece ser muito melhor a reciclar conceitos antigos... acrescento o Hulk:Grey, que também faz parte da minha colecção e que vale a pena ler, embora zeja ligeiramente inferior ao Blue e ao Yellow... ainda espero a tua crítica ao White para me decidir (ou não) a comprá-lo...

    e o quanto ao Fibda? Gostava de contar contigo no almoço que planeamos fazer... aliás, é importante que a tua geração esteja representada (daqui a 10 anos és o Reed Richards da BD nacional!!!)

    ResponderEliminar
  2. Celtic o segredo é o Sale,que tal uma outra lendaria dupla dava muitas dicas ao Loeb.
    Aproveita e rele o Hush,e o Superman da serie de ouro.

    ResponderEliminar
  3. Ehehe, o Reed Richards da BD :D Eu ainda não sei bem como é que vai ser, é que nos FIBDA's estou sempre dependente do transporte do meu pai, portanto é uma situação que ainda tenho de analisar. Só com datas e horas é que posso dizer qualquer coisa.
    De qualquer forma, estarei lá no Fórum, como em todos os anos.

    Quanto ao Hulk: Grey, é o único volume da série das cores que me falta, não sei bem onde é que o vou arranjar.
    E Grim, não me estou a ver a reler o Hush, detestei aquilo e há outras coisas pela frente.

    ResponderEliminar
  4. Acrescento também o Dark Victory, inferior ao Long Halloween mas superior ao Hush.

    Não fiquei com a impressão que o Aranha ame mais a Gwen, ela simplesmente foi a primeira. E não podemos amar mais do que uma pessoa?
    Acredito que se não morresse ainda estivesse com ela tal como se viu em "House of M"

    Gostei também das sugestões musicais que foram colocadas no livro, todos os capítulos têm títulos de músicas jazz.
    é para dar um ambiente mais "blue" :)

    Abraço

    ResponderEliminar
  5. Pelo menos essa é a minha visão, não consigo imaginar que ele possa amá-las da mesma forma. Aliás, percebo agora que a MJ é mais uma grande amiga do que a mulher da vida do Peter, ao contrário da Gwen. Mas isso tem tudo a ver com a visão de cada um, julgo eu.

    Só depois de reler o livro é que me apercebi que havia um posfácio do JCF.

    ResponderEliminar
  6. Esse foi um livro muito fixe! Também já o reli e sabe sempre bem... e é como dizes, quando se relê um livro descobrem-se pormenores antes não notados. Essa é cena fixe do blog, tenho de reler montes de livros!
    :) aparece no almocinho...

    ResponderEliminar
  7. "Aliás, percebo agora que a MJ é mais uma grande amiga do que a mulher da vida do Peter, ao contrário da Gwen."

    Na bd original porque no cinema e mesmo nos desenhos animados não é bem assim,é justamente o oposto.

    ResponderEliminar
  8. Diogo Valadas04/10/08, 22:47

    Olha que o 'Blue' também não é grande coisa, comparo-o ao 'White'.

    Bom mesmo é o 'Yellow' e o 'Grey'.

    ResponderEliminar
  9. Ouvi dizer que o Jeph Loeb está a fazer asneira nesta nova série do Hulk (moranguinho), alguém costuma comprar?

    ResponderEliminar
  10. Pois Valadas, são opiniões. Eu disse o disse porque me identifiquei com vários aspectos do livro, daí o ter achado muito bom. Eu não o compararia de nenhum de nenhum modo ao Cap: White, até porque ainda é um bocado cedo.

    Radjack, é claro que ele está a fazer asneira :D

    ResponderEliminar
  11. Eu gostei deste Azul tanto como do Grey e do Yellow. :-)
    Sobre o Cap:White, não me pronuncio sem ler...

    Já sobre o Hulk às cores, depois de ler os primeiros números pensei, que vem a seguir: Hulk arco-íris? eheheheh...
    Na verdade, já os lanternas às cores achei que era um pouco corromper o espírito original da série, imaginem se agora começar a aparecer um Hulk verde, azul,vermelho, roxo e por aí fora. :p

    ResponderEliminar
  12. Eu por caso gosto muito desta nova mitologia colorida dos Lanternas, permite imensas estórias sem cansar muito, penso eu.

    ResponderEliminar
  13. O azul não é grande coisa? Heresia!
    Estou a brincar claro, mas por acaso é dos meus livros predilectos do Homem Aranha e foi uma história que fez a minha namorada chorar por isso sim adoro este azul :)

    A saga das cores já começou nos lanternas?
    Já agora pelo que percebi o azul ia simbolizar esperança que é um sentimento associado ao verde. Mas como o verde nos lanternas já é a força de vontade....

    Abraço

    ResponderEliminar