31 agosto 2009

O Rapaz que Coleccionava o Homem-Aranha

Há uns dias atrás fiquei a saber da existência desta estória através da votação do CBR sobre os painéis mais marcantes dos 70 anos da Marvel. Quando vi a vinheta não identifiquei este pequeno conto, pois não o conhecia mesmo, mas depois vi que um site a tinha escolhido como uma das mais emblemáticas para si. Fiquei curioso, mas a vontade de procurar a dita ainda não era muita, só que depois de ler alguns comentários aqui no blog, nomeadamente do Verbal, decidi que era melhor aproveitar o balanço e lá fui eu. Fiz algum pesquisa por sites conhecidos, outros nem tanto e fiquei a saber que "The Kid Who Collects Spider-Man" figurava em alguns tops das 10 melhores estórias do Aranha, da Wizard Magazine nomeadamente. 
Infelizmente tive de recorrer a meios que não se pode dizer que sejam muito legais para ler este clássico, mas ao que sei não há nenhum compilação disponível no mercado que o contenha. Neste caso, pode-se dizer que sou apologista destes meios mais tecnológicos (ainda que ilícitos) para poder conhecer um comic que porventura me poderia agradar e levar a comprar um livro que o contivesse no futuro. E o que é facto é que muitas estórias caíram no limbo do esquecimento o que leva a que a internet seja a única maneira de as conhecer. Já agora, quem estiver interessado em ler isto pode sempre pedir-me.
Roger Stern é quem escreve e revela que o seu objectivo era prestar uma pequena homenagem a Will Eisner, criando uma estória que apelasse à emoção humana que o Mestre tão bem transpunha para o papel. Ron Frenz é quem desenha este conto de 11 páginas que foi originalmente publicado em The Amazing Spider-Man #248, que não pretendia ser nada mais que um filler, já que o evento principal deste número era uma batalha contra o Thunderball, mas os papéis inverteram-se.
A estória centra-se num rapaz de nome Tim Hammond, que foi alvo de uma entrevista por parte do Clarim Diário por ser um acérrimo coleccionador de tudo o que envolvesse o Cabeça de Teia, desde artigos de jornal, revistas, fotos e até um filme perdido que já ninguém se lembrava. Quem leu a entrevista foi o sempre atento Peter Parker e já que a mesma fazia um apelo para que o mesmo visitasse o rapaz,  Peter lá fez questão de se deslocar aos seus aposentos. No início, começamos por relembrar os primeiros momentos da vida do Aranha, desde a origem dos seus poderes até à trágica morte dos seu tio, o que torna este momento tão surpreendente devido à cumplicidade que se cria naquele quarto. Quase toda a vida do Teias é dissecada com um miúdo que ele apenas tinha visto nas notícias, mas que provavelmente já sabia mais coisas sobre ele do que o nosso herói se conseguia lembrar. Até aqui pode-se dizer que nada demais aconteceu, o que é verdade, até que Peter Parker acede ao pedido de Tim e tira a sua máscara, revelando a sua identidade secreta a um miúdo que finalmente se apercebera que todas as fotos que coleccionava eram da autoria do seu herói de infância. Esta revelação de identidade tem a sua explicação, já que na página final somos confrontados com uma informação vital que resulta que nem um murro no estômago - Tim está a morrer de leucemia e tem escassas semanas de vida. E aqui é que surge a arte como parte importante na Banda Desenhada - a página final, com o Homem-Aranha a tirar a sua máscara em cima de um muro com uma placa a informar que o quarto onde estávamos era de um hospital para doentes em fase terminal, é divinal e deixa-nos sem palavras.
O twist não transforma esta estória num clássico eterno dos comics americanos, mas o que é facto é que em apenas onze páginas, com 10 delas a contar algo divertido, calmo e alegre, somos atingidos com algo tão emocionante e tocante na última página que nem dá para descrever. Certamente um conto que só deve ser apreciado na sua totalidade pelos fãs mais atentos do Aranha e que apreciem toda a mística da personagem.
À conta disto tudo, lá descobri aquele tal top das 10 melhores estórias do Spidey e fiquei curioso em descobrir algumas delas para poder dar seguimento a uma corrente de posts sobre estes clássicos soltos. Fiquem ligados!

10 comentários:

  1. Bons tempos os do Stern,no Aranha.
    Desse top ja li quase todas as historias 9 em 10.
    Esta historia foi transportada para a tv na Serie animada da Sic so que mudaram o sexo ao rapaz que se tornou uma rapariga.

    ResponderEliminar
  2. Lembro-me de ler esta história há muito tempo, foi publicada numa revista do Aranha da Abril brasileira, se não estou em erro, e realmente merece estar entre as melhores do personagem já que quando a li e eu era um gaiato na altura foi uma história que me tocou, principalmente a cena final que como dizes "é divinal e deixa-nos sem palavras.".

    Fico no aguardo pelas tuas criticas às restantes histórias do Top 10 do Aranha. :D

    Abraço. :)

    ResponderEliminar
  3. é realmente uma excelente historia e um dos comics que eu fiz questão de comprar. comprei um exemplar ''near mint'' que custou-me quase tanto como um album de bd mas valeu a pena. do top 10 destaco o marvel team up 100 (outro que faz parte da minha coleção) por ser o menos conhecido. para além de ser uma excelente história tem a ''cereja no topo do bolo'' de ser desenhada pelo frank miller.

    ResponderEliminar
  4. Eu quero isso tens de me enviar :D

    Lembro-me vagamente do episódio que o Kitt fala. mas esta história nunca a li.

    Abraço

    ResponderEliminar
  5. Já tinha lido esta história há uns bons tempos atrás quando comprei o comic para a colecção e é daquelas que pelo seu final nunca se esquece.

    Quanto ao best-off das histórias do Aranha, acho bastante bom o top do site que referiste. Das mais recentes, a citada em 8º "Ezekiel & Morlun", foi o arco que mais me entusiasmou.

    Abraço

    ResponderEliminar
  6. Verbal, a inclusão do Morlun no top deu-me vontade de reler os dois volumes que tenho ali na estante. Depois de reler Novos X-Men será a próxima leitura.

    Loot, já seguiu por mail!

    Eskorpiao, sorte a tua em teres este original. Também gostava :) Hei-de ler esse Marvel Team Up também.

    OCP, até te posso dizer que foi publicada no número 19 da revista Homem-Aranha em 1985, da Abril Jovem como dizes :) As próximas reviews estão para breve (é de aproveitar enquanto não começa a escola!)

    Grim, também li sobre essa transposição do papel para o pequeno ecrã e lembro-me muito vagamente do episódio. Aliás não me lembro de quase nenhum dos que vi (ficou-me apenas na memória os do Venom) apesar de na altura não ter perdido quase nenhum episódio.

    ResponderEliminar
  7. Nunca li, tenho que ver isto! Excelente post.

    ResponderEliminar
  8. Se ainda não leste, não percas tambem a historia do spider contra o juggernaut. Li-a pela 1ª vez à mais de 15 anos atrás e é uma das razões porque passados estes anos todos continuo a comprar, ler e colecionar bd. Para quem gosta do spider man é uma historia fundamental porque capta a essencia do personagem no seu melhor. É interessante ver tambem como serviu claramente de inspiração para a história do Straczynski (ezekiel & morlun).

    ResponderEliminar
  9. Refem, se quiseres posso ceder-te o comic...

    É verdade Eskorpiao, existe sempre aquela estória que nos marca para sempre e que até aos dias de hoje ainda nos lembramos e temos um carinho especial por ela. Essa do Juggernaut também está na calha :)

    ResponderEliminar
  10. Essa eu tenho o comic brasuca.

    ResponderEliminar