27 agosto 2009

Os 10 Painéis mais Icónicos da Marvel de sempre

O CBR pôs em marcha, recentemente, uma votação centrada nos painéis (ou vinhetas, como preferirem) mais icónicos da Casa das Ideias desde que a editora começou a lançar comics. O colunista Brian Cronin iniciou um post onde inclui 70 painéis dos quais os leitores apenas podem escolher 10 e é precisamente isso que vou fazer aqui, escolher aquelas que são para mim as cenas que mais me tocaram, tendo em conta que não li tudo o que está referido no site. Comentem quais são os vossos 10 preferidos ou então façam vocês mesmo um post deste género.
PAINEL #10
O casamento de Reed Richards e Sue Storm. Não podia haver nada mais clássico neste universo do que esta união que ocorreu em Fantatsic Four Annual  #3, num matrimónio que contou com a presença de várias caras conhecidas, mas que passou por momentos muito atribulados. A ler!
Painel #9
A luta dos X-Men contra o Clube do Inferno tornou-se rapidamente num must das leituras dos mutantes. Esta estória nunca a cheguei a ler, mas tive contacto com este painel quando li um volume de Astonishing X-Men (de Joss Whedon e John Cassaday) em que Kitty Pride aparece nesta exacta posição. Mais tarde reparei que era uma referência a esta bela vinheta de um Wolverine furioso em busca de sangue!
PAINEL #8
Outro painel que também foi mostrado por Joss Whedon em Astonishing X-Men. Aqui, Kity Pride já estava tão farta das filosofias de Xavier que entrou pela mansão dos X-Men adentro como uma ira incontrolável.
PAINEL #7
Este é recente, mas ainda assim consegue entrar para a galeria dos mais marcantes. À custa deste deslize da Feiticeira Escarlate, os mutantes foram reduzidos a escassas centenas o que abriu precedentes inimagináveis. Os mutantes passaram a ser ainda mais caçados e a busca por novos seres desta espécie passou a ser o pão nosso de cada dia. O problema é que já não havia muito por onde procurar...
PAINEL #6
Um dos maiores clássicos da Marvel, não fosse o seu nome Marvels e não estivesse nele envolvido o génio artístico de Alex Ross. A estória pode parecer um mero revisitar de acontecimentos históricos da editora, onde Kurt Busiek se foca na visão de um respeitado fotógrafo freelancer, que alcançou a fama a fotografar os tais momento históricos que ocorreram no Universo Marvel, mas é muito mais que isso. A arte de Ross ajuda bastante a que possamos imaginar como seria se tudo isto ocorresse no mundo real e o resultado foi fantástico. Se não leram, deviam!
PAINEL #5
Aqui está a morte que, para mim, foi a melhor executada nos últimos anos da Marvel. Ed Brubaker criou uma storyline fantástica desde que começou a contar o também ele impressionante regresso de Bucky Barnes, o Winter Soldier. Tudo isso culminou no assassinato de Steve Rogers que não soou nem inoportuno nem ridículo, mas sim uma consequência do que o Ed andava a congeminar. Ainda hoje estamos à espera que Steve Rogers regresse dos mortos (com pouca ansiedade, diga-se), o que já está a acontecer numa recente mini-série.
PAINEL #4
Nunca encontrei esta vinheta em nenhuma das minhas leituras, mas já a conhecia há bastante tempo e desde sempre tive um carinho especial por ela devido à grande carga emocional. Acho que não há muito a dizer, a imagem fala por si.
PAINEL #3
Quando Peter Parker decidiu finalmente abandonar o seu uniforme devido aos conflitos que a sua identidade secreta e vida pessoal tinham, ninguém sabia que rumo é que Stan Lee iria dar à personagem. Os confrontos com o Green Goblin e os problemas com o seu amigo Harry Osborne estavam a deixar o Aranha à beira de um colapso, o que levou a esta tentativa (falhada) de abandonar a luta contra o crime.
PAINEL #2
Na votação aparecem estes dois painéis que pertencem exactamente à mesma estória, God Loves Man Kills, de Chris Claremont, provavelmente a melhor já escrita na série X-Men. Acho que tanto um quadro como outro espelham bem aquilo que se pretendia mostrar - um mundo cheio de preconceitos onde nem aqueles que se esforçam para o melhorar são ainda  mais odiados pela sociedade. Li esta obra há cerca de um ano e aquilo que mais me tocou foi um discurso final de uma personagem, da qual já não me lembro, que deu uma verdadeira lição sobre a igualdade na raça humana. Sensacional! Uma leitura também ela não só aconselhada como obrigatória!

PAINEL #1
Pode não ser a melhor estória que já li na Marvel. Pode não ser um supra-sumo dos argumentos nos comics. Mas é sem dúvida um clássico que deu uma identidade mais humana aos comics, que até então pouco jogavam com os sentimentos das personagens, à semelhança de uma novela, já que este Amazing Spider-Man era sem dúvida uma foto-novela. Peter Parker era talvez a personagem mais infeliz que podia haver nos comics, depois da morte do seu Tio Ben, das desavenças com o seu melhor amigo e com inimigos novos que surgiam todos os dias. Quando finalmente encontrou o amor da sua vida, Gwen Stacy, parecia que já nada de mau podia acontecer e os seus problemas já não eram assim tão preocupantes com uma mulher daquelas ao seu seu lado. Mas se há coisa que é certa, é que a felicidade não é eterna e o mesmo se começou a verificar na vida de Peter. Norman Osborn, na pele de Green Goblin, assassinou barbaramente a mítica Gwen Stacy, numa sequência histórica que ainda hoje atormenta a vida do Escalador de Paredes. Não só aquele >Snap< me ficou na memória, como também aquele trágico choro nas páginas finais desta BD. Priceless!

11 comentários:

  1. Algumas dessas historias foram reeditadas no tpb comemorativo dos 70 anos da marvel.

    Marvel 70th Anniversary Collection:

    http://www.comicvine.com/marvel-70th-anniversary-collection-tpb/37-163617/

    ResponderEliminar
  2. Boa escolha. vou lá ver as outras.

    ResponderEliminar
  3. Da minha parte escolheria aqueles que num único desenho mostram o lado humano dos super-heróis por ser essa a característica que mais aprecio nas histórias. Assim, os painéis 3 (morte de Electra), 12 (morte de Gwen Stacy), painel 18 (morte do Duende Verde) e painel 70 (morte do Cap. America) estariam nos meus preferidos porque talvez a morte nos lembra sempre a nossa condição e nos coloca a todos no mesmo nível. Pela sua humanidade também destacaria também o painel 61 da história “The kid who collected Spider-Man”. Depois talvez optasse, dentro dos meus super-heróis preferidos, por aqueles painéis que marcam “o” momento: 1 (Homem-Aranha), 2 (Fantastic Four), 10 (Homem-Aranha), 15 (Homem-Aranha), 17 (Hulk) e 36 (Capitão America). Abraço.

    ResponderEliminar
  4. Eu fiquei curioso sobre estória do rapaz que coleccionava o Homem Aranha. Li num site que estava muito bem contada, mas fiquei sem perceber bem qual era o pano de fundo.

    ResponderEliminar
  5. Essa história que referes penso ser recente. Publicada na revista Peter Parker Spider-man. É desenhada belo Mark Buckingham e escrita pelo Paul Jenkins.

    PP: Spider-man#41 (eu acho), já o tive mas ofereci a um aluno.

    A história é linda.

    P.s.:Não concordei terem considerado a morte do 'cap' um grande momento. Seria grande momento se fosse definitivo..tão a trazer de volta o filho da mãe, nÉ?

    ResponderEliminar
  6. Diogo, a estória foi épica e teve um desfecho que ninguém estava à espera. A morte do Capitas caiu de rompante e se bem te lembras até os telejornais falaram disso, mesmo em Portugal! Se isto não é icónico vou ali partir uns tijolos e já venho.

    ResponderEliminar
  7. A história que referi do Spider afinal é no número 35 e chama-se 'Heroes don't cry'.

    A história é épica quando se tem a coragem para se admitir que não se vai 'apagar' esse momento porque lhes vai dar jeito para se vender mais (Morte do Super, morte da Tia May,morte do Batman - espero que a DC mantenha o Wayne na 'cova'; se o fizessem eu admitia que o Batman R.I.P merece respeito).

    Tio Ben, Captain Mar-vell (por alguma razão afinal era um Skrull,né?),Jim Wilson (amigo do Hulk), Doug Ramsey,etc.

    Por acaso a história da morte do Jim Wilson ou a da história em que se descobre que o Jim tem sida são muito mais memoráveis e sentidas do que a morte do Cap (são escritas ambas pelo Peter David).

    Em relação ao Cap achei muito mais marcante aquela parte do Civil War em que ele olha para a cara dos 'verdadeiros heróis' e se dá conta de que ele próprio se tornou naquilo que prometeu combater.

    Este debate deu-me vontade de ir reler as tais histórias do Hulk (são 4 da matina, já devia tar a xonar). Gracias, Celtic ^_^

    ResponderEliminar
  8. Por acaso lembrei-me agora que devia estar ali na votação a morte do Captain Mar-Vell, se é que há algum painel em que o vemos a morrer.

    Realmente, também fiquei com vontade de reler algumas estórias, principalmente a Morte da Gwen Stacy :D

    ResponderEliminar
  9. Bons momentos esses que escolheste!
    :)

    ResponderEliminar
  10. eu tenho essa revista que tem a kitty pride xingando o professor xavier de idiota! é uma revista da super aventuras marvel. ô tempo bom aquele! gostei da cena do wolvi no esgoto com as garras em riste preparado para o ataque! o henry pim gigante sendo fotografado ficou muito bacana! o ponto de vista de um observador que registra os heróis em seus momentos de ação. a cena da morte do capitão américa é embelmática!

    ResponderEliminar